Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Primeiro energético carbonado do mundo, Shark Energy Drink é alternativa natureba para quem curte a bebida

Livre de composições químicas prejudiciais à saúde, a marca vai na contramão do mercado tradicional e apresenta opções mais saudáveis, em cinco sabores

Por Analice Nicolau 26/05/2022 5h00
Livre de composições químicas prejudiciais à saúde, a marca vai na contramão do mercado tradicional e apresenta opções mais saudáveis, em cinco sabores

Bebidas energéticas naturebas? Sim, essa já é uma realidade no mercado brasileiro, apresentando-se como uma alternativa mais saudável aos energéticos industrializados.

Dados divulgados pela Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas (ABIR), na Revista ABIR (edição 2019/2020), mostram que o setor de bebidas não alcoólicas já participa de 1,13% do Produto Interno Bruto do país, sendo mais de 13,6% desse total oriundo de energéticos, gerando R$13 bilhões em tributos e mais de 2 milhões de empregos diretos e indiretos.

Em sua composição, a bebida possui 100% de cafeína natural e açúcar da uva, além de não conter glúten, conservantes e sódio

Na contramão do mercado tradicional de bebidas energéticas, o consumo de produtos com composição natural tem sido indicado por especialistas para evitar os malefícios à saúde, causados pelo consumo exagerado das substâncias químicas taurina e cafeína, contidas nesse tipo de drink não alcoólico.

Presente no Brasil desde 2007, a Shark Energy Drink tem conquistado diversos consumidores, desde a sua chegada, quando o empresário Mauro Stumpf (morto em 2016 no acidente aéreo do time Chapecoense) trouxe a marca tailandesa, propriedade da Osotspa Company Limited, com sede em Bangkok, ao país.

Gilmar Santana, um dos responsáveis pelo crescimento da Shark no Brasil

“Temos mais de 120 anos de tradição, mas é a nossa inovação que nos torna um líder mundial em bebidas especiais que renovam a mente e o corpo. A cada ano, mais de um bilhão de pessoas em mais de 80 países tomam uma bebida da Osotspa e esse número está crescendo continuamente”, revela a Shark, no portal da empresa.

Em sua composição, a bebida possui 100% de cafeína natural e açúcar da uva, além de não conter glúten, conservantes e sódio. Os produtos Shark Energy também possuem o maior complexo de vitaminas que combatem o envelhecimento, segundo diz Gilmar Santana, um dos quatro sócios da empresa, junto a Alexandre Stumpf (filho do Mauro), Fagner Possi e Jeymison Peter.

Destinada especialmente ao público esportista, o Shark Energy Drink é consumido também por pessoas que possuem uma rotina que agrega muitas horas de trabalho ou de outras ocupações que levam ao cansaço físico e mental.

“Ao contrário da maioria das outras marcas que usam cafeína artificial, Shark usa cafeína natural dos grãos de café e, junto com outros ingredientes, fornece uma liberação sustentada de energia interior. Este e os aromas naturais a tornam mais frutada e refrescante do que outras bebidas energéticas. Shark tem atacado o mercado de bebidas energéticas em todos os continentes e é encontrado nos clubes e bares mais badalados e nos cafés mais descolados”, afirma a marca, em seu site oficial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com cinco vertentes da bebida, que vai de zero calorias aos sabores de frutas, a primeira bebida energética carbonada do mundo agrega à sua estratégia de marketing uma abrangência nacional, voltada aos mercados de turismo, lazer e esporte.

Para o futuro, o empresário revela que a marca quer chegar ao terceiro lugar no podium dos energéticos mais vendidos do Brasil em até 18 meses.

Destinada especialmente ao público esportista, o Shark Energy Drink é consumido também por pessoas que possuem uma rotina que agrega muitas horas de trabalho ou de outras ocupações que levam ao cansaço físico e mental.

“O energético Shark é indicado para todas as pessoas que praticam qualquer atividade física, para o atleta do dia a dia (pessoas que exercem funções de mais de 8 horas de trabalho, que precisam de algo para que aguentem um tempo maior)”, explica Gilmar.

Para o futuro, o empresário revela que a marca quer chegar ao terceiro lugar no podium dos energéticos mais vendidos do Brasil em até 18 meses.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar