Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Evento empresarial reúne importantes nomes do showbusiness brasileiro

Comandado por Luiz Calainho, talk-show “Noites Cariocas” reforçou a importância da arte na vida das pessoas

Por Analice Nicolau 27/06/2022 2h00
Michael Nagy, Alexandre Accioly, Ricardo Amaral, Roberto Manescal e Luiz Calainho (Foto: Gustavmo Rampini/LIDE)

O período de pandemia que atravessamos e ainda vivemos de certa maneira nos deu ao menos uma grande certeza, a arte, a cultura e o entretenimento nos ajudaram a atravessar os momentos mais difíceis do isolamento social que se fez necessário. Isso ficou evidente e foi abordado na 21ª edição do Fórum Empresarial LIDE – mais importante evento empresarial do país – que abriu suas portas na última quinta-feira, 23, às 19h, com o talk-show “Noites Cariocas”.

Luiz Calainho, empresário do setor de economia criativa, fundador da L21Corp, holding que atua nas áreas de mídia, cultura e entretenimento, recebeu como moderador importantes nomes do showbusiness e do cenário musical brasileiro. Ricardo Amaral, precursor que por 30 anos figura na lista dos mais bem sucedidos empresários da noite no Brasil, fundador de casas noturnas inesquecíveis como a “Hippopotamus”, foi um dos participantes do evento, que contou ainda com nomes como Alexandre Accioly, empresário que atua na indústria do entretenimento e de fitness, investindo em diversas iniciativas relacionadas ao showbusiness e Roberto Menescal, cantor, compositor e produtor musical e um dos pais da Bossa Nova.

No talk-show os convidados falaram de seu amor e sua relação com o Rio de Janeiro e de como a capital fluminense foi importante e inspiradora para suas realizações. “Até meus 17 anos, meu mundo era Copacabana. Conheci Nara Leão e toda a nossa turminha de músicos que criou o movimento que mais tarde seria chamado Bossa Nova. Nossas músicas traduziam o Rio que a gente adorava e ainda adora. A gente sentava no sofá da sala da casa da Nara e só via o mar. A praia era a coisa mais democrática, a gente fazia serestas à noite. As músicas nasceram dali, era o que a gente via. Tudo em função daquele lugar que era a nossa praia e ainda é até hoje”, recordou Menescal.

“Sou paulistano e vim pro Rio com 20 e poucos anos. Na verdade, eu fui expulso de São Paulo. Eu era um jovem jornalista que tinha um patrão chamado Samuel Wainer que adorava o que eu fazia. Essa história é pública: o governador Ademar de Barros tinha uma amante no Rio de Janeiro. Isso foi entre os anos 1950 e 1960. Eu era responsável por cobrir os bastidores da política, e pegava no pé do governador que era uma loucura. Minha coluna foi ganhando espaço jornal, na página 3, e eu era só um garoto. Naquela época, Wainer tinha dívidas com o Banco do Estado de São Paulo. Ademar falou: resolvo suas dívidas, faço o que você quiser, mas tira da minha frente esse Ricardinho Amaral! E aí eu fui transferido para Roma, sem nem saber o porquê. Um tempo depois, eu pedi pra voltar e fiquei morando na casa do Wainer no Rio de Janeiro. Depois, voltei para São Paulo para fazer muitas coisas, como o Flag, piano bar sensacional, e a boate Hippopotamus”, contou Amaral.

Accioly sua relação com o Rio e de que também fez a troca de cidades como Amaral. “Tudo que eu aprendi na minha vida foi na troca com a cidade, com os cariocas. Acho que o Rio tem um potencial de ecoar as coisas feitas aqui para o Brasil todo. Não sei se pela Globo estar aqui, ou se pela simpatia do carioca. Eu acho muito mais fácil começar uma empresa em um lugar que dá eco no Brasil inteiro. Tudo que a gente faz no Rio tem potencial de crescer para o Brasil”.

Calainho afirmou durante o evento o fato da cultura ter auxiliado as pessoas nos momentos difíceis da pandemia. “Nesses últimos dois anos, vimos como a arte, a cultura e o entretenimento nos ajudaram a atravessar o momento difícil da pandemia. A economia criativa ganhou mercado. As empresas começaram a perceber o quanto é importante o conteúdo da arte, da música e da cultura. Além de ganhar mais público, estamos ganhando novas empresas patrocinadoras e isso alimenta a roda da economia criativa”.

O Fórum Empresarial LIDE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com início na última quinta-feira, 23, o Fórum Empresarial LIDE segue com sua programação até neste domingo, dia 26 de junho. O evento, que acontece pela primeira vez na cidade do Rio de Janeiro, no Hotel Fairmont, em Copacabana, na Zona Sul, reúne líderes de diferentes setores para dialogar sobre novos caminhos para o desenvolvimento do Brasil, abordando temas como governança e transparência na gestão pública; sustentabilidade e compromisso ambiental; modernização do modelo energético brasileiro; o futuro político e institucional do Brasil; o papel da democracia na sociedade; as lideranças políticas e a retomada econômica, além da profissionalização do esporte e a retomada de eventos culturais.

por Ariston Sal Junior








Você pode gostar