Siga o Jornal de Brasília

Saúde

Cuidado redobrado com a sinusite

Publicado

em

Publicidade

Embora possa apresentar outros sintomas, como sensação de pressão ou peso na cabeça, nariz entupido, febre, cansaço e coriza, a sinusite é caracterizada principalmente pela dor aguda na parte frontal da face. Dr. Bruno Loredo, otorrinolaringologista do Hospital Santa Luzia, em Brasília, afirma que tratamentos realizados de forma incorreta podem trazer sérias consequências àqueles que sofrem deste problema.

O médico esclarece que a sinusite aguda geralmente tem origem: viral (tratada sem antibióticos) e bacteriana (necessita de antibióticos). “Tratamentos inadequados podem causar infecções e afetar o funcionamento do sistema imunológico”, acrescenta o especialista.

Além disso, algumas complicações podem causar inflamação e a formação de pus e secreção atingindo as pálpebras, o globo ocular e o nervo ótico, desencadeando até mesmo problemas mais graves, como a cegueira. “Os sintomas iniciam com o inchaço das pálpebras evoluindo com dor de cabeça muito forte, vermelhidão ocular, limitação da movimentação do olho e proptose (olho saltando da órbita). Nestes casos, o otorrinolaringologista deve ser procurado imediatamente para realização dos exames e avaliação da necessidade de intervenção cirúrgica de urgência.”, descreve Dr. Bruno Loredo.

A sinusite também pode desencadear complicações ósseas, levando às inflamações do tecido ósseo (osteítes) e às inflamações da medula óssea (osteomielites). “Na osteomielite, há a formação de pequenas quantidades de pus no interior dos ossos, causando o enfraquecimento e amolecimento deste tecido. Assim, o osso começa a ser absorvido e a infecção se estende aos tecidos moles. Em geral, o tratamento é realizado por meio de antibióticos e em casos de infecções muito extensas, a cirurgia é o melhor caminho”, explica.

De acordo com o otorrinolaringologista, a osteomielite frontal é a mais comum e pode formar um tumor amolecido na região da testa. Complicações cranianas desenvolvem-se por contato ou por veias que ligam o nariz e o crânio. Pessoas que sofrem deste problema têm mais chances de desencadear doenças como meningite, (caracterizada por inflamação nas meniges), empiema subdural (pus entre o cérebro e o tecido que o envolve as meninges), inflamação dos seios venosos e pus cerebral, problema que pode levar à morte.

“Sintomas como dor de cabeça de forte intensidade, rigidez ou dor na movimentação do pescoço devem ser investigados com cautela. As rinossinusites são infecções comuns e, quando tratadas de forma correta, raramente vão levar a quadros de complicações. Porém, é importante lembrar que o uso de antibióticos incorretos ou por tempo menor que o recomendado podem piorar o quadro clínico do paciente”, destaca o médico.

CONTÁGIO

Dr. Bruno Loredo afirma que há possibilidade de desenvolver a patologia por meio do contato. “Se o infectado espirrou, te cumprimentou e após isso você coçou o nariz sem lavar as mãos há grandes possibilidades de desenvolver a sinusite”, alerta o especialista.

Para evitar esse transtorno, o especialista destaca que manter a higiene das mãos é fundamental. Para aqueles que já sofrem da doença, Bruno Loredo aponta que o uso correto da medicação indicada pelo médico é fundamental para o sucesso do tratamento. “Além disso, o paciente deve alimentar-se bem, ingerir líquidos e realizar higiene nasal com soro fisiológico”, finaliza.


Você pode gostar
Publicidade