Siga o Jornal de Brasília

Futebol

Conduta do irmão Wilton fez Sávio Sampaio optar pela profissão

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Erros e descuidos de  arbitragem sempre alimentaram discussões sobre o futebol País afora.  O gol irregular marcado por Márcio Araújo, do Flamengo, sobre o Vasco,   que rendeu o título carioca ao Rubro-negro, é mais um caso recente que “atormenta” os profissionais responsáveis pela condução das partidas. 

Mesmo com tantos problemas e “homenagens” nas arquibancadas, há quem ame a profissão e não desista. Exemplo disso é Sávio Sampaio,  irmão caçula do melhor árbitro do Campeonato Brasileiro de 2012, Wilton Sampaio. Sávio, que há quatro anos integra o quadro do Distrito Federal e apitou oito partidas no Candangão de 2014,    driblou todos os percalços e se espelhou na disciplina e dedicação de Wilton. 

“Estou em contato com ele todos os dias. Wilton está em Goiânia, mas sempre que pode assiste aos meus jogos, e vice-versa. Depois, sentamos para conversar sobre o que precisamos melhorar”, admite Sávio.

Profissão dureza

Há 13 anos como árbitro da CBF, Wilton tinha o irmão como principal incentivador de seu trabalho. Tamanho apoio foi suficiente para despertar o desejo de se tornar um, assim como o primogênito. 

“Foi uma grande surpresa e, a partir do momento que comecei a fazer o curso, me apaixonei  ainda mais. Sempre que posso, procuro estudar e assistir lances de outros jogos para me precaver de possíveis dores de cabeça”, admite Sávio.

ADEUS AO TIME DO CORAÇÃO

Dentre os conselhos dados por Wilton ao irmão mais novo, um dos mais importantes é o “abandono ao time do coração”. 

“Quando o Sávio começou disse que ele teria de deixar tudo e torcer pela Arbitragem Futebol Clube. Nós temos que passar desapercebidos e saber aplicar as regras com coerência. Além de ser dedicado e separar muitas horas da semana para treinar”, argumenta o árbitro, nascido em Teresina de Goiás e revelado no Distrito Federal. 

 
Curiosidades
 
Wilton Sampaio
 
1 Onde tudo começou:  nascido em Teresina do Goiás,  o árbitro iniciou a carreira trabalhando no castigado Campeonato Candango
 
2 Reconhecimento: ele foi considerado o melhor árbitro do Campeonato Brasileiro de 2012. Naquele ano,  apitou  16 partidas, distribuiu 108 cartões amarelos e nove vermelhos. 
 
Momentos marcantes: ainda em 2012, o árbitro atuou na final da Copa do Brasil, ano em que o Palmeiras foi campeão. Em 2013, foi convocado pela Conmebol para atuar na Libertadores, assim como em 2014.
 
Discrição e mãe “relaxada”
 
 Wilton e Sávio Sampaio garantem que  a mãe Maria Rita não se importa mais com os xingamentos direcionados à ela nos jogos apitados pelos filhos.
 
“É um trabalho em dose dupla. Hoje, ela nem liga mais porque já acostumou, mas quem sabe isso não muda um dia?”, aponta     Sávio.
 
Nada de facebook
Para não piorar a situação, Wilton diz que a profissão exige total discrição e cuidado com a imagem exposta,  principalmente na internet.
 
“Um árbitro deve ser o mais reservado possível e se abster de vários momentos sociais, inclusive em páginas e e perfis em redes sociais”, exemplifica o cauteloso Wilton, hoje no quadro de profissionais  da Federação Goiana de Futebol. (K.M.O.)
 

Leia também
Publicidade