Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Dulcina: obra no Conic é suspeita de danificar teto de teatro

Publicado

em

PUBLICIDADE

Raphaella Sconetto
raphaella.sconetto@grupojbr.com

Tombado desde 2007 como patrimônio cultural do Distrito Federal, o complexo cultural Dulcina de Moraes está passando por mais um problema estrutural, além das reformas solicitadas pelo Corpo de Bombeiros. Uma parte do teto da sala Conchita de Moraes veio ao chão na madrugada de quarta-feira (20). Uma obra que está sendo feita no piso externo do Conic é suspeita de ter sido a responsável pela queda, a partir da pressão das máquinas para cortar o concreto. A estimativa é de que cerca de 1,5 metros quadrados despencaram.

Leia também: 

Faculdade Dulcina de Moraes sofre o impasse de atender às novas normas de edificações e manter estrutura original do prédio projetado por Oscar Niemeyer   
Nova gestão reconhece dívidas mas afirma que há planos para voltar a ser polo cultural e de educação profissionalizante
Faculdade Dulcina de Moraes foi alvo de cinco invasões, furtos e arrombamentos. Instituição acredita ser perseguição

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Houve uma compra dos prédios na parte interna do Conic. A prefeita disse que quis fazer um teste em frente a saída de emergência do Dulcina, só que embaixo fica a sala Conchita. De fato houve uma rasuro no gesso, mas o que causou só saberemos após a apresentação dos laudos”, pondera Christiane Ramirez, secretária executiva da instituição.

A estimativa é de que 1,5 metros quadrados despencaram. Foto: João Stangherlin/Jornal de Brasília.

De acordo com a Agência de Fiscalização, a obra que envolve as áreas comuns entre os prédios do complexo do Conic foi embargada e a prefeitura notificada a apresentar os laudos de riscos.

A sala de teatro continua fechada. A faculdade aguarda a apresentação dos laudos da prefeitura para saber se o restante do teto teve a estrutura alterada e se não há mais riscos de desabamentos. A reportagem tentou contato com a prefeitura, mas até a publicação desta matéria ainda não havia respondido aos questionamentos.

A obra está localizada na parte de trás da Faculdade Dulcina de Moraes. Foto: João Stangherlin/Jornal de Brasília


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade
Publicidade